quarta-feira, 22 de setembro de 2010

O viajante 3


Não sei porque Terry gostou de mim. Ele simplesmente me levou morar uns tempos no seu trailer. Não sei o que aconteceu comigo nesse tempo, pois a primeira coisa que fiz quando saí da casa de Terry foi comer uma ruiva que estava na estrada e logo depois comprar um trailer. A ruiva me ajudou. Marianne era o seu nome. Ela que me ensinou que prostitutas nem sempre roubam sua carteira no fim da noite.
Quando cheguei ao trailer de Terry fui apresentado à sua família. Era pequena: uma mulher a quem ele gostava de chamar de "mulher", e dois filhos, Dianne - uma linda adolescente transpirado chatice e depressão, e Adam - um excelente fazedor de cocô de 3 anos. Segundo Terry, o menino foi a coisa mais produtiva que ele e sua mulher fizeram depois da guerra, "e olha que por ter sido com três pernas, eles se sairam bem", palavras dele. Depois de conhecer a família de meu mais novo amigo lunático, fui apresentado à classe C do trailer - os cães. Eram todos sarnentos, pulguentos, vira-latas e amados. Como Terry os amava, principalmente o General - o cachorro que ele conseguiu trazer do Vietnã em um baú. Não me pergunte como, porque eu fiquei com medo de perguntar ao Terry.
Onde o veterano ia, ele ia atrás, pareciam sempre prontos para se defender de um ataque, e os dois tinham pesadelos com bombas e odiavam barulho de foguetes. Aquele cachorro conseguia entender o Terry de um jeito que nem Deus entendia.
Eles eram todos católicos - menos o Adam, Terry achava que era muito cedo pra corrompê-lo com bobagens e maluquices. Terry fingia que era católico, descobri depois. Inclusive memorizou as orações pra mulher não desconfiar. Ele na realidade achava coisa de malucos - "mas não os malucos legais e espertos, os malucos idiotas e fracos, que não tinham 10 pila pra comprar uma boa cerveja e por isso tinham que recorrer à Deus", novamente palavras dele.


Nos primeiros dias tive de me acostumar com a cama dura e com o cachorro que me adotou, literalmente. Diego - em homenagem à um ator mexicano de não sei o quê, o qual Terry idolatrava - até chegou a me trazer um pedaço de seu bife. Talvez eu tenha cara de cachorro, ou talvez ele entendeu que gosto das coisas simples, e não há nada mais simples que um cachorro. Seguindo isso, o adotei também.
A comida era simplesmente arrebatadora. Nunca comi algo igual na vida. Terry dizia que isso só aconteceu porque "a mulher estava no lugar certo e na hora certa com os ingredientes certos, como deve ser". No mundo dele, homens lutam na guerra e mulheres cozinham - onde for.
Na primeira semana, a filha chorona e depressiva teve um problema, queria ir à um luau no meio do deserto. Lá também teria um show de manobras de aviões. Era a festa típica da cidade e Terry me pediu que como favor, fizesse a filha entender que não poderia ir porque uma vez soldado - SEMPRE SOLDADO! E eles nunca esquecem disso.
Sem entender muito bem, depois de um olho roxo e 5 cervejas pra esquecer, a menina foi ao local no carro do pai, e me deixou sem dinheiro pra voltar pro trailer. Sim ela me roubou e eu não falei nada à Terry, porque soldados são sempre soldados.

A vida simples no melhor trailer do Alabama me cativou, Caí de quatro por ela como se ela tivesse as melhoras pernas do mundo e muita grana pra me oferecer. E nunca mais, consegui sair de suas garras.

46 comentários:

  1. O andarilho percorre o caminho, percorre os desertos e conhece inúmeras pessoas. Suas aventuras e descobertas cada vez me impressionam e despertam minha curiosidade sobre Terry, o viajante, e o destino que todas as coisas tomarão... continue, e não suma me deixando nessa espectativa rs.

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Cara, eu ri imaginando tudo isso, achei muito divertido e natural o modo como escreves. Vai ser um super livro.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. e tens todo o talento.
    Lembre-se de mim quando escrever o seu livro. Quero compra-lo com o maior prazer.
    Obrigada por ter me seguido.
    E entre o passado e o presente, meu coração ficas dividindo, querendo ter os dois. Mas, sempre sou lembrada que só posso ter um.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Querida, quanta inspiração..
    Escreva um livro..
    Comprarei, garanto-lhe!

    Obrigada por ter visitado o meu blog, assim tive a honra de te achar tb, e quanto talento em?
    Você tem um tipo de escrita que facina, voltei.

    ResponderExcluir
  5. Oi linda amei seu blog ta lindo já estou seguindo viu, já te adicionei ate nos meus favoritos, faz uma visitinha no meu todo dia tem novidade se você gostar me segue também ta, beijão simara
    http://plantaodabeleza.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito dos primeiros capítulos dessa história. Se continuar, pode escrever o livro. rs E me avise quando publicar, haha.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. adorei o lance do cachorro te adotar...
    beijo!

    ResponderExcluir
  8. Quero um livro com essa história *O*.Tenho certeza que vai ser o maior sucesso :D

    Beeijão :)

    ResponderExcluir
  9. Que legal essa história. E adorei como começou "Não sei por que Terry gostou de mim". Essa primeira frase me chamou a atenção. E outra coisa que gostei "classe C do trailer - os cães", classe C, por que é a classe mais baixa e por que é a primeira letra da palavra cães. Muito interessante.
    :*

    ResponderExcluir
  10. Eu li as partes e gostei, é como se fosse uma história calma, mas deixa de aprendizados que a gente pode levar. Curti e fiquei na curiosidade para ver mais um pouco da história, confesso! bjbj

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Devias realmente escrever um livro.
    "O Vianjante" é inspirador. Gosto do modo forte como escreves, das expressões despreocupadas, dos cenários...

    No mais, adorei o blog.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  13. Me apaixonei pela sua maneira de escrever. Demais mesmo.

    ResponderExcluir
  14. Nossa, você escreve muito bem menina. quando sair seu livro, me avisa que sou o primeiro a comprar.

    Adorei o cantinho, voltarei sempre.


    Se quiser, dê uma passadinha no http://occhistrabici.blogspot.com/ , onde coloco meus textos e inspirações.

    Bjão moça!

    ResponderExcluir
  15. Muito bom, especialmente essa passagem:"...um excelente fazedor de cocô de 3 anos...". Me emocionou.
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Nussa! Isso vai virar ou já virou livro?! =p
    Hahaha
    Gostei muito. Seguindo moça!
    BjO

    ResponderExcluir
  17. muito obrigada*
    gostei muito e vou-te seguir :D

    ResponderExcluir
  18. Obrigada pelo elogio. Gostei muito daqui.
    Seria um grande livro.

    Beijos

    ResponderExcluir
  19. Oi Bruna! Adorei aqui também!
    Sigo! BeijO*

    ResponderExcluir
  20. Adorei!
    Agora vou ler os anteriores e voltar sempre por aqui...
    ;*

    ResponderExcluir
  21. Um texto interessante e fluente. Superou minhas expectativas, hehehe. Te seguindo.

    ResponderExcluir
  22. Gostei da sua forma de escrever, bom texto, moça!

    Obrigada pelo comentário no meu Teatro.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  23. Olha coisa nova pra ler ... é um seguimento? que ler tudo...



    :::FER:::

    ResponderExcluir
  24. Estou acompanhando esses devaneios.
    Aguardo surpresas e novidades.
    E acho que isso realmente ocorrerá por aqui.

    ResponderExcluir
  25. Olá minha querida, fiquei feliz com tua visita! Volte sempre. Gostei dos teus escritos também. Um curta passou na minha cabeça. Uma confissão silenciosa e adorável.

    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Lindo texto, não sabia se lia um post ou assistia a um filme de tão envolvente suas palavras.

    BeijooO*, te seguindo também.

    ResponderExcluir
  27. Eu lerei seu livro , com muito prazer !

    to te seguindo, passa no meu e vê se gosta de lá,como eu gostei daqui !
    parabéns '

    http://fersilverio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  28. Obrigada pela visita, querida!
    Parabéns pela ótima escrita!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Muito me lembrou Kerouac ou Burko"whysky" :)

    A.prece.ando aqui... ;)

    ResponderExcluir
  30. Oi! Diferente teu blog. Bacana. Estarei por aqui =D
    E bem, quanto ao seu coment, eu não considero como medo, mas como uma forma de evitar tantas dores, evirtar precipitações e aprender que nem tudo é lindo como parece. Maas se com isso espanta a felicidade. Entende?
    Um beijo e tomara que consiga lançar um livro. haha' Sorte (yn)

    ResponderExcluir
  31. Hallo, obrigado pela visita, volte sempre que quizer. Adorei o espaço aqui também.
    Só li a parte três do viajante, mas lerei o resto hoje mesmo.
    Estou seguindo também.

    Um beijo, boa semana.

    ResponderExcluir
  32. se perderes este jeito forte e meigo de escrever...se abandonar tal forma ñ mais voltarei aqui. (y)

    gosto exatamente como está. mt bom!


    bjos ;)

    ResponderExcluir
  33. Bruna! Escreves muito bem... gostei!

    e outra, tens bom gosto musical ;)

    um beijo

    ResponderExcluir
  34. História interessante, diferente e intensa. Terry é um personagem e tanto. E o que dizer do próprio viajante? Muito bom mesmo!
    Parabéns por sua criatividade e maneira única de escrever.

    Obrigada pela visita, comentário e por seguir. Faço o mesmo. ;)

    ResponderExcluir
  35. Caí de quatro.

    Essas palavras sempre me impactam.

    ResponderExcluir
  36. Nossa, o 3 texto é muito bom, achei um melhor que o outro. Realmente daria um bom livro. Parabéns

    ResponderExcluir
  37. Olá, amei o post. Bmuito bem escrito.

    Tem um presentinho te esperando lá no meu blog. http://doce-meio-amargo.blogspot.com/

    Espero que goste!

    Bjos

    Nina

    ResponderExcluir